Notícias

Proposta de implantação de zona azul em Camaçari gera intenso debate na Câmara

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Uma proposta para que seja implantando o sistema de zona azul para ordenamento de estacionamentos no município gerou grande debate durante a 3a Sessão Ordinária da Câmara de Camaçari, realizada na manhã de hoje . A Indicação No 720/2021, apresentada pelo vereador Herbinho (PSL), pede à Superintendência de Trânsito e Transporte (STT) que cumpra a Lei Municipal No 305/2010, que institui o sistema de estacionamento de alta rotatividade, conhecido popularmente como zona azul.

Segundo o autor da matéria, o objetivo é promover o ordenamento do trânsito e melhorar os problemas de deslocamento no centro da cidade. “Precisamos solucionar esse gargalo que é a questão do estacionamento na nossa cidade. Essa é uma demanda tanto dos nossos comerciantes como dos cidadãos que utilizam e frequentam o comércio local. São inúmeros os relatos de pessoas que deixam de ir ao centro da cidade para fazer suas compras por conta da dificuldade em encontrar locais para estacionar. A zona azul garantirá o ordenamento e a cobrança com preço justo para todos, além de permitir que o comércio se desenvolva e a economia se fortaleça”, argumentou.

O vereador Dentinho do Sindicato (PT) se colocou contrário à proposta. “Entendo que esse não é o momento para efetivar uma ação que vai gerar custos para a população. Estamos em um cenário de pandemia, com a economia comprometida e com número grande de desempregados na nossa cidade. Não é o momento para pensarmos em criar mais um custo para nossa população”, argumentou.

O vereador Flávio Matos (DEM) contrapôs o argumento da oposição, reforçando que a proposta da indicação é baseada no ordenamento do trânsito e não na criação de custos adicionais para os munícipes. O mesmo foi destacado pelo vereador Dr. Samuka (CIDADANIA). “Não estamos taxando os munícipes, mas sim garantindo cobrança justa e serviço bem prestado”, complementou.

Já o vereador Gilvan Souza (PSDB), encarou a indicação como um “start” para que o tema venha a ser debatido de maneira mais profunda pela Casa. “Acredito que essa ideia deva ser contemplada em uma ação mais completa que pensa a cidade a partir de um ordenamento de trânsito e transporte, por exemplo. Ela faz parte do processo de pensar e efetivar de maneira mais adequada a licitação para o serviço de transporte público da cidade”, opinou.

Após intenso debate, a proposta foi colocada em votação e recebeu 12 votos a favor e 03 votos contra. Com a aprovação pela maioria dos presentes, a matéria será encaminhada para conhecimento do Poder Executivo.