Notícias

‘Lista Suja’ do trabalho escravo tem 13 empregadores da Bahia; Camaçari faz parte da relação

Foto: Reprodução / GEFM
Foto: Reprodução / GEFM

 

A Lista Suja do Trabalho Escravo do governo federal aponta que o estado da Bahia tem 13 empregadores. A informação foi divulgada pelo Ministério Público do Trabalho na Bahia (MPT-BA) na segunda-feira (13). De acordo com o MPT, a lista é da Secretaria de Inspeção do Trabalho, órgão do governo federal vinculado ao Ministério da Economia e foi divulgada na semana passada. Os nomes dos empregadores não são divulgados.

Os empregadores na lista, na sua maioria, atuam na área agropecuária, como criação de boi e cultivo de milho, cacau ou café. Eles estão em diversas cidades da Bahia como: Uruçuca, Cardeal da Silva, Vitória da Conquista, Serrinha, Una, Presidente Jânio Quadros, São José do Jacuípe, Camaçari, Riachão das Neves e Ilhéus.

Os  incluídos na Lista Suja estão impedidos de contratar financiamento em bancos estatais e de realizar vendas para a União, estados e municípios. Além disso, os envolvidos permanecem por dois anos na lista. Caso façam um acordo com o governo, o nome fica em uma “lista de observação” e pode sair depois de um ano, se os compromissos firmados com o governo forem cumpridos. As informações são do G1.

A Lista Suja existe desde 2013 e, antes de fazerem parte dela, os empregadores podem se defender em duas instâncias administrativas. Os empregadores que passaram a integrar a lista foram flagrados por equipes da Coetrae e tiveram o prazo legal para contestar os autos de infração lavrados depois dos flagrantes.

 

Foto: Reprodução / GEFM