Gente que Faz Notícias Satélite Negro

Jau foi barrado porque acompanhante não vestia roupas conforme “dress code”, diz Sette

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O luxuoso restaurante Sette, localizado no bairro da Barra, em Salvador, rebate as declarações do cantor Jau – que relatou ter sido vítima de racismo ao ser barrado, na noite de quinta-feira (2), na porta do estabelecimento. O Sette afirma que não Jau, mas o acompanhante foi impedido de entrar pois “não estava usando vestimentas de acordo com o dress code [traje recomendado, em tradução livre] estabelecido”.

Esposa do cantor, a produtora Patrícia Mascarenhas afirma à reportagem que o motorista, que era quem acompanhava o artista, foi orientado por um funcionário a não entrar no estabelecimento pois vestia bermuda. Ainda segundo ela, o homem permaneceu no carro. O Sette, em um segundo comunicado, acrescenta que o impedimento ocorreu também pela tentativa do músico, que usava um chapéu.

“Em imagens capturadas pelas câmeras de segurança do Sette, vê-se claramente que o acompanhante do cantor não estava usando vestimentas de acordo com o dress code estabelecido (usava bermuda), bem como o chapéu utilizado pelo artista, motivo este que levou o segurança a informá-lo da necessidade de adequação para acesso ao local”, justifica o Sette.

E continua: “O restaurante esclarece que abomina qualquer ato racista ou discriminatório, prezando por sua conduta democrática e inclusiva, e reforça que apenas existe um dress code para ingresso na casa”.

O texto também cita que placas no local alertam para a exigência do “traje adequado” e reforça que “não há impedimento legal para que bares e restaurantes privados estabeleçam seus códigos de vestimenta, desde que o deixem claro na entrada do estabelecimento, sites e mídias sociais, de modo que o consumidor possa ser previamente informado”.

Patrícia questiona: “Ele estava com o cabelo preso para trás. Imagine para uma pessoa negra, ter que tirar o chápeu e arrumar o cabelo todo novamente?” Para a produtora, que sofre com alopécia – uma doença que deixa feridas no couro cabeludo –  a situação teria sido ainda mais delicada, diz ela, que costuma sentir a necessidade de sair com o adereço.

A recepcionista, afirma Macarenhas, não reconheceu Jau de imediato. Mas a situação seria constrangedora, afinal, para qualquer cliente, reforça ela. Jau e a esposa pretendem prestar queixa contra o restaurante pelo crime de racismo.