Bahia Saúde

Rui Costa afirma que vai acionar STF após Bahia deixar de receber 900 mil doses de vacinas

Foto - Reprodução CNN
Foto - Reprodução CNN

O governador Rui Costa criticou nesta quarta-feira (18) a gestão do presidente Jair Bolsonaro, durante a pandemia do novo coronavírus, e revelou que deve recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a distribuição desigual de vacinas feita pelo Ministério da Saúde.

“Vamos ingressar no STF solicitando que a Justiça faça o Ministério da Saúde corrigir essa perseguição contra os baianos. Nós recebemos 900 mil doses a menos de vacina, porque o correto, o padrão do SUS, é dividir conforme a população de cada cidade e cada estado. A vacina deve ser distribuída proporcionalmente às populações de estados e municípios. O próprio ministério reconhece que a Bahia recebeu 900 mil doses a menos. Portanto, já enviamos várias correspondências cobrando. E eu pedi à PGE (Procuradoria Geral do Estado) que prepare uma ação no STF no sentido de que uma ação judicial obrigue o Ministério da Saúde a cessar com essa discriminação e enviar as 900 mil doses que estão faltando. Tudo que eles pregam é ódio, violência, o que vai na contramão do cuidado com as pessoas”, disse em entrevista na rádio Metrópole.

Rui destacou que enviou ao governo federal “várias correspondências”, sendo a última no dia 13 de agosto, cobrando a reparação. Segundo ele, outros estados do Nordeste também foram alvo da “perseguição”. “O correto é o padrão do SUS. Vacina deve ser distribuída proporcionalmente à população dos municípios e de cada estado. Nós temos 15 milhões de baianos”, explicou.

O governador disse ainda que precisou aportar mais de R$ 800 milhões que não estavam previstos no orçamento do estado durante a crise sanitária. “Nós tivemos que reprogramar. Só na área de apoio, transferência de renda, tivemos que aportar 800 milhões de reais que não estavam previstos no programa de governo nem no orçamento, em função da pandemia. São programas como, por exemplo, o auxílio permanência na escola, onde nós damos 150 reais a mais de 300 mil famílias para que elas mantenham seus filhos nas escola”, declarou.