Notícias

Camaforró 2018 terá sistema de videomonitoramento

O Camaforró começa nesta quinta-feira (21/06) e segue até o sábado (23), e para reforçar o esquema de segurança, a festa contará com sistema de videomonitoramento. No Espaço Camaçari 2000, onde acontece o evento, será montado um núcleo que acompanhará as imagens, que será feito pela Polícia Militar, além do auxílio no centro de comando e controle de um agente da Superintendência de Trânsito e Transporte (STT) e dois do Centro de Operações de Camaçari (COCAM).

Ao todo, 16 câmeras serão instaladas, sendo 12 fixas, que possuem visão noturna para 20 metros e inteligência de reconhecimento facial, e quatro speed dome (com giro 360°) com alcance de aproximadamente 150 metros, visão noturna para 100 metros, detecção de movimento (auto tracking) e reconhecimento facial.

As câmeras cobrirão toda área interna e externa da arena, dando foco especial para alguns pontos como a entrada principal do espaço e do Carramanchão, a área dos banheiros, acesso ao backstage e área de grande público. Em caso de identificação de situações que requerem averiguação ou intervenção rápida, o acionamento de policiais e seguranças particulares será feito de forma imediata por meio de radiocomunicador e sistema de telefonia. De acordo com a Prefeitura de Camaçari, o sistema adotado dispõe de tecnologia aplicada para contagem de pessoas, reconhecimento facial e de objetos abandonados.

Além das câmeras, a segurança será feita por 250 policiais do 12º Batalhão de Polícia Militar, que vão se revezar em dois turnos e dispor de plataformas elevadas. A estrutura vai contar ainda com apoio da Rondas Especiais (RONDESP), da Companhia Independente de Policiamento Especializado (CIPE) Polo Industrial, do Batalhão Especializado em Policiamento de Eventos (BEPE) e do Corpo de Bombeiros.

Ainda atuarão 50 agentes da Polícia Civil da 18ª Delegacia Territorial (DT), 250 seguranças particulares, 30 brigadistas civis, 60 agentes do Juizado da Infância e Juventude, representantes do Conselho Tutelar e do Observatório de Discriminação Racial e Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros (LGBTT).