Bahia Diversidade Gente que Faz Notícias

Valdineia Soriano e lideranças pretas ocupam perfil de Deborah Secco no Instagram, nesta sexta (26) às 18h

Foto: Divulgação/AGS9
Foto: Divulgação/AGS9

A atriz baiana Valdineia Soriano assume o Instagram da atriz Deborah Secco nesta sexta-feira (26). Val, que interpretou Maria, esposa de Reginaldo no clássico Ó Paí Ó,  é conhecida por seu ativismo dentro e fora dos palcos. Mulher preta que milita há 30 anos com o Bando de Teatro Olodum, ela recebeu o convite pessoal da artista da Rede Globo. 

“Obrigada, Deborah! Refleti muito sobre a ideia e decidi convidar amigas e irmãs que são muito importantes para nossa construção baiana no que estou chamando de #artepretaepolítica. Então, sexta, faço um convite especial a todas e todos para falarmos de nós, dos nossos e de nossas trajetórias, ampliando o alcance de nossa voz, numa #ocupaçãopreta”, escreveu Val em seu perfil no Instagram. 

As convidadas para participar da ocupação com a atriz, que acontece entre às 18h e 20h30 de hoje, são Cássia Valle (atriz), a socióloga Vilma Reis e a cineasta Thamires Vieira. 

 

Entenda mais sobre as ocupações:

 

As redes sociais foram tomadas por publicações de indignação, cobranças e empatia desde o dia 25 de maio, data em que o afro-americano George Floyd foi morto pelo policial branco, Derek Chauvin. No período, milhões de pessoas foram às ruas nos Estados Unidos para protestar contra o assassinato de Floyd. Diversos estabelecimentos foram incendiados e um dos motivos para as repercussões no Brasil, foi que pessoas brancas se uniram como uma espécie de escudo humano para impedir que os policiais americanos avançassem contra os manifestantes negros. 

Desde então, parte da branquitude brasileira se posicionou como antirracista em seus perfis. A hashtag #antirracista foi usada por pessoas negras e não-negras junto com #blacklivesmatter, acompanhadas por uma publicação de tela preta, que demonstrava luto pelas vidas negras perdidas em abordagens policiais. O posicionamento da branquitude pelas redes sociais chamou a atenção de movimentos negros do Brasil, uma série de questionamentos foram levantados, inclusive, sobre como os não-negros brasileiros se comportam de forma antirracista na prática.

Uma semana depois, pessoas brancas começaram a ceder seu espaço virtual, com milhões de seguidores, a pessoas pretas para que estas pudessem falar sobre a luta da população negra. A primeira iniciativa foi tomada pelo humorista Paulo Gustavo no dia 03 de junho, que ofereceu  sua conta do Instagram à filósofa Djamila Ribeiro. De lá para cá, outros artistas reproduziram a atitude do comediante com a ideia de usar seus privilégios para ecoar as vozes do povo negro, que tem muito o que dizer.

Seguindo essa ocupação e aproveitando para atingir pessoas brancas com entretenimento, política, conhecimento e, sobretudo, reivindicações do povo preto, Valdineia explica o motivo de ter aceitado o convite:

“Eu que sou atriz preta que tento fazer minha militância dentro e fora do palco… no primeiro momento você acha estranho [ceder espaços para artistas negros]. Por que esse movimento agora? A gente vem passando por tudo o que a gente já sabe, esses anos todos, esse tempo inteiro [racismo institucional]. Nas nossas comunidades jovens negras e negros vêm morrendo sempre, vêm apanhando sempre da polícia, que sempre foi muito violenta. O Bando de Teatro Olodum fala disso desde 1992, quando a gente criou Ó Paí Ó, desde 1991 quando a gente criou essa nossa praia, então não é de agora”, ressalta Val sobre a opressão policial contra a população negra.

A artista conta ainda, que o convite de Deborah Secco ocorreu após “uma ponte” feita pelo ator e produtor Fernando Barcelos, amigo em comum das duas. “Ele fez a ponte, me informando que ela estava com esse desejo [de convidar mais uma atriz] e pediu a sugestão. Ele sugeriu que fosse eu”, diz Val Soriano que considera usar “toda essa postura que está surgindo agora, ao nosso favor”. 

“Na verdade, é muito mais interessante pra essa galera estar perto da gente nesse momento, pra fortalecer o discurso que é da ‘modinha’. Mas a gente também tem que saber usar essas coisas ao nosso favor. Não fui bater na porta de Deborah, ela veio até mim e eu fiquei maquinando como usar”, explica a atriz.