Mercado e Negócios Notícias

Ford encerrará produção em Camaçari e outras duas unidades no Brasil

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A Ford anuncia nesta segunda-feira (11) que encerrará as suas atividades no Brasil. Com isso, a montadora fechará suas três plantas de produção no país: Camaçari (BA), Horizonte (CE) e Taubaté (SP). Em 2019, a empresa já havia fechado a fábrica em São Bernardo dos Campos (SP).

A produção será encerrada imediatamente em Camaçari e Taubaté, mantendo-se apenas a fabricação de peças por alguns meses para garantir disponibilidade dos estoques de pós-venda. No Ceará, onde se fabrica o Troller, o fechamento acontecerá no último trimestre de 2021.

Com a decisão, os veículos comercializados no Brasil passarão a ser importados, principalmente das unidades da Argentina e Uruguai, e outros mercados da América do Sul. Assim que terminarem os estoques, serão interrompidas as vendas do EcoSport, Ka e Troller T4.

“A Ford Brasil encerrará a produção nas plantas de Camaçari (BA), Taubaté (SP) e da Troller (Horizonte, CE) durante 2021, à medida em que a pandemia de Covid-19 amplia a persistente capacidade ociosa da indústria e a redução das vendas, resultando em anos de perdas significativas. A companhia manterá no Brasil a sede administrativa da América do Sul, o Centro de Desenvolvimento de Produto e o Campo de Provas”, disse a Ford em nota.

O Centro de Desenvolvimento de Produto está localizado em Camaçari e o Campo de Provas e sede regional em São Paulo. A montadora afirma que trabalhará junto aos sindicatos “para minimizar os impactos do encerramento da produção”.

“A Ford está presente há mais de um século na América do Sul e no Brasil e sabemos que essas são ações muito difíceis, mas necessárias, para a criação de um negócio saudável e sustentável”, complementou Jim Farley, presidente da Ford, em nota à imprensa. “Estamos mudando para um modelo de negócios ágil e enxuto ao encerrar a produção no Brasil, atendendo nossos consumidores com alguns dos produtos mais empolgantes do nosso portfólio global.”

Clique aqui para ler a nota na íntegra.