Diário de Gênero Militância Social

Dia da Visibilidade Trans: Lideranças destacam ‘Trabalho como forma de empoderamento’

Natasha

“Transexuais e o Direito de Acesso ao Mercado de Trabalho”, foi tema de evento realizado em homenagem ao dia da Visibilidade Trans, ocorrido nesta quarta-feira (30), no auditório da Secretaria de Governo (Segov) de Camaçari. Uma das palestras contou com a presença de Vida Bruno, coordenador das Políticas para a Cidadania LGBT+ de Salvador.

Vida Bruno

O coordenador ressaltou a importância de fortalecer políticas públicas voltadas para profissionalização e inserção no mercado de trabalho de homens e mulheres trans. “Promovemos algumas ações na direção do empreendedorismo LGBTS+ e o retorno desses LGBTS+ à sala de aula, através de programas de educação”, pontuou Bruno.

A manicure e cabeleireira, Lavínia Carvalho (mulher trans), compartilhou do pensamento do colega de militância, frisando ainda a importância de combater o preconceito enfrentado dia-a-dia pelas transgeneres da cidade.

Michel Castro (homem trans) defendeu a batalha por respeito e aceitação da sociedade em relação as pessoas trans, mas também reforçou a dificuldade no acompanhamento social, assistencial e  médico. No que tange à conquista de oportunidades de trabalho em Camaçari pela comunidade trans “se você não tiver seu nome edificado você não consegue emprego”, desabafa Michel.

Natasha Kiss, cabeleireira, que também já foi candidata à vereadora no município ressaltou a falta de respeito quando se busca a área de saúde e a falta de cuidado na hora de tratar pessoas trans. Ela destaca a falta de respeito como um grande problema e afirma o que muitos parecem ignorar, “somos seres humanos, filhos, parceiros, guerreiros, pessoas que trabalham e batalham”.

A Coordenadoria de Igualdade de Direitos e Combate à Discriminação, representada por Riviane Valongo, declarou que reconhece as dificuldades da comunidade trans e sinalizou que já visualiza algumas políticas públicas para facilitar o acesso ao mercado de trabalho da comunidade em pauta. Cursos profissionalizantes voltados ao grupo LGBT+ foram ações destacas por mmebros da Coordenadoria que faz parte da Secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania (Sedes).

 

 

 

Publicidade