Educação Poder Público

Bolsonaro indica Renato Feder para assumir o MEC após nomeação polêmica de Decotelli

foto: reprodução
foto: reprodução

 

O secretário da Educação do Paraná, Renato Feder,  é o principal nome cotado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para assumir o Ministério da Educação, cargo renunciado na última semana por Carlos Alberto Decotelli, após seu histórico de polêmicas envolvendo supostas formações acadêmicas em universidades internacionais, e até mesmo acusação plágio.

Mestre em Economia pela Universidade de São Paulo (USP) e graduado em Administração pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), Renato Feder já foi professor de matemática no setor da Educação de Jovens e Adultos por uma década; diretor escolar por oito anos; é chegou a trabalhar na Secretaria Estadual de Educação de São Paulo. 

Em seu livro Carregando o Elefante – Como Livrar-se do Peso que Impede os Brasileiros de Decolar, publicado em 2007, Feder defende a privatização da educação nacional. De acordo com a BBC, entre as propostas para a educação apresentadas no livro estão “privatizar todas as escolas e universidades públicas, implantando o sistema de vouchers. Para cada aluno matriculado o governo paga uma bolsa diretamente à escola. Cada escola pode optar se receberá apenas a verba do governo ou se cobrará uma taxa extra”, resume a obra.